7ª Turma julga processos penais pela primeira vez no Gproc

18/09/2018
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • TRF4 no Flickr
  • Assine o RSS do TRF4

 A 7ª Turma, especializada em matéria penal, realizou hoje a primeira sessão de julgamento utilizando o sistema Gproc. Presidida pela desembargadora federal Salise Sanchotene e composta pelos desembargadores federais Luiz Carlos Canalli, que participou por videoconferência, e Leandro Paulsen, em substituição a desembargadora federal Cláudia Cristina Cristofani, os magistrados passaram a usar também em matéria penal a ferramenta que proporciona integração processual e substitui o antigo sistema Gedpro.

Na abertura da sessão, a presidente da turma registrou que “o crime foi a última matéria a aderir a esta modalidade e estamos recebendo de bom grado a inovação porque vai facilitar muito a vida de todos nós, vai ficar tudo dentro de um único sistema. A diretora que está aqui presente, Dra. Cristinne e toda a equipe que fez acontecer esta inovação e que mais uma vez coloca o nosso Tribunal Regional Federal da 4ª Região em destaque no cenário nacional, contribuindo para que mantenhamos a nossa posição recentemente destacada no relatório Justiça em Números do CNJ, como o Tribunal Federal mais produtivo do país”.

O Procurador Regional da República Douglas Fischer lembrou ter iniciado seu trabalho no TRF4 e que o tribunal sempre foi pioneiro nas atividades de modernização. Para ele, a implantação do Gproc é mais um importante passo, “por ser um sistema extremamente ágil, tendo tudo começado com o processo eletrônico e hoje estarmos caminhando para o processo absolutamente eletrônico”. Ele parabenizou o tribunal e a diretoria responsável por este constante aprimoramento por facilitar o trabalho de todos. 

Leandro Paulsen ressaltou que o Gproc é instintivo e amigável e não ter havido dificuldades para se preparar para a sessão. Parabenizou a equipe do Tribunal, referindo tratar-se de mais um sistema que vai facilitar o dia a dia e liberar o tempo para se dedicar à análise das questões de fundo.

A sessão transcorreu com rapidez e segurança, qualidades proporcionadas pela utilização dos módulos “Minutas” e “Sessão de Julgamento” do Gproc.

Estiveram presentes na sessão a diretora judiciária Cristinne Rojas Barros, coordenadora do Gproc, o assessor da Diretoria Judiciária (Dirjud) Elton Luís Peixoto, o Diretor da Divisão de Sistemas de Produção e Gestão de Documentos Processuais, Luís Fernando Sayão Lobato Ely, responsável pela equipe de desenvolvimento e sua equipe. O objetivo foi o de acompanhar os trabalhos ocorridos pela primeira vez numa sessão criminal e o de prestar apoio aos gabinetes dos desembargadores delas integrantes, a fim de dirimir as dúvidas e ajustar os detalhes para o aprimoramento das atividades judiciárias.

Para o escopo da implantação em sessão criminal, foi realizado treinamento de três dias para os servidores dos gabinetes do aludido órgão julgador pelo Diretor responsável pelo desenvolvimento do Gproc.  Houve, ainda, prévia reunião dirigida pelo coordenador do eproc, juiz federal Sérgio Renato Tejada Garcia, com participação da Dirjud e Divisão de Tecnologia e Informática (DTI), com os desembargadores federais, assessores dos gabinetes e Assessoria às Sessões de Julgamentos das Turmas (Assejut), visando à demonstração das novas ferramentas utilizadas pelos desembargadores durante a sessão de julgamento, elucidação de dúvidas e pedidos de melhorias nos módulos.

Processo integrado

Consiste o Gproc no desenvolvimento das funcionalidades destinadas à gestão eletrônica de documentos processuais a partir do próprio sistema de processo eletrônico eproc, em substituição ao sistema Gedpro, incorporando novas tecnologias e soluções que agilizam o preparo das minutas de documentos judiciais e o gerenciamento das atividades que envolvem a dinâmica da sessão de julgamento. 

Está prevista para o início do próximo mês a implantação do Gproc na 8ª Turma deste Tribunal e, na sequência, na 4ª Seção.