Exposição e palestra no TRF4 homenageiam a luta de pessoas com deficiência

28/09/2018
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • TRF4 no Flickr
  • Assine o RSS do TRF4

Compreender o diferente e aprender com as diversidades é essencial. Pensando nisso, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) inaugurou hoje (27/9), na passarela do nono andar, a exposição fotográfica ‘Tantos Uns’, um projeto que retrata pessoas com deficiência que trabalham no Judiciário. A abertura da mostra foi seguida de uma palestra sobre os direitos dessas pessoas. Os eventos fazem parte das comemorações ao Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência, que aconteceu no dia 21 de setembro. 

A maioria dos fotógrafos e dos fotografados são servidores do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4) e do TRF4. A exposição marca a busca de um olhar mais empático ao outro, quebrando os estigmas dos padrões de normalidade que foram estabelecidos na sociedade. Nas fotos, as mais diversas expressões que mostram, além das diferenças, o jeito e o modo de viver de cada um.

A abertura da exposição foi feita pelo desembargador federal Roger Raupp Rios, que é presidente da Comissão Permanente de Acessibilidade e Inclusão (CPAI) e Ouvidor do TRF4. O magistrado ressaltou a importância de perceber a luta das pessoas com deficiência. “A riqueza da diversidade pode e deve abrir caminhos diante de uma falsa normalidade que se coloca como único parâmetro a ser observado. Não, nós somos pessoas diversas, e a diversidade nos enriquece, nos faz melhores, mais justos e moralmente corretos”, afirmou. 

Teresa Haase, servidora do TRF4, falou em nome dos fotógrafos envolvidos no projeto. Ela destacou a importância da exposição para o crescimento pessoal dos profissionais. “Nós passamos a conhecer novas realidades e, em cada aspecto que a gente começava a descobrir, vinham novas emoções. A partir do momento em que fomos conversando e conhecendo, percebemos que um dos grandes problemas que as pessoas com deficiência passam é o preconceito. Então, uma das principais vontades para essa exposição era resgatar a autoestima dessas pessoas”, pontuou.

Vivências

Servidor do TRF4 desde 2007, Pablo André Flôres foi fotografado enquanto lia um livro. Cadeirante desde 2000, ele nunca havia participado de algo parecido, e ficou realizado com o resultado da mostra. Ele classificou como magnífica a experiência de ter a sua luta e a dos colegas reconhecida no ambiente de trabalho. “Grande parte do problema que as pessoas com deficiência enfrentam diz respeito à invisibilidade, não somos vistos, não somos percebidos. Por uma série de obstáculos da sociedade, as pessoas com deficiência ficam confinadas em suas casas. Então, fazer isso também é uma oportunidade para que a sociedade perceba que nós estamos aí, e que só não aparecemos mais por culpa desses obstáculos”, enfatizou.

“Por quê não?”, foi o que Marcus Vinícius Sauer respondeu ao aceitar o convite de uma colega para ser um dos fotografados. Para o servidor, que trabalha há 24 anos no TRF4, a exposição é uma grande evolução no quesito visibilidade, mas não pode parar por aí. “As pessoas também têm que aprender com o que está fora daqui, na rua, ver os problemas e mudar o que está lá”, afirmou.

A exposição segue na passarela do nono andar do TRF4 até 19 de outubro, e é aberta ao público. Os interessados podem fazer a visita de segunda à sexta-feira, das 13h às 18h.

Direitos da pessoa com deficiência: o que nos falta saber/fazer?

Após a abertura da exposição, o público foi ao auditório do TRF4 para acompanhar a palestra “Direitos da pessoa com deficiência: o que nos falta saber/fazer?”, com o advogado e presidente da Associação RS PARADESPORTO, Luiz Cláudio Portinho Dias. O objetivo do encontro era conscientizar o público sobre direitos e sobre como abordar as questões de acessibilidade e inclusão.

Também participaram da conversa a presidente do Comitê Gestor de Equidade de Gênero, Raça e Diversidade do TRT4, juíza Raquel Santos, o presidente da Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (Feneis), Francisco Eduardo Coelho da Rocha, o servidor do TRF4 Pablo André Flôres, o escritor Gilberto Henrique e a fotógrafa Teresa Haase. Os convidados debateram junto com a plateia questões sobre preconceito, dificuldades de acesso, legislação e formas de lutar contra os obstáculos.

Portinho salientou a importância de comemorar o Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência. “O nome deixa bem claro, pois ela é uma data de conscientização e de marcar a luta. Todas as pessoas com deficiência, têm a luta presente na sua vida, a luta por quebrar barreiras, desconstruir paradigmas e por ter o protagonismo reconhecido”, frisou.

O advogado também falou sobre o Estatuto da Pessoa com Deficiência, sancionado em 2015. Para ele, a promulgação da lei representou um grande avanço. “Só o fato de ter o estatuto foi uma grande vitória, poder carregar esse documento, mostrar”. Ele destacou o Artigo 2º, considerado de grande importância e simbólico, pois define o que se considera uma pessoa com deficiência. “Esse artigo tira a deficiência da pessoa e transfere para o meio, sua significação é plena na nossa luta. A deficiência não está em nós, ela está no meio em que vivemos, é sobre ele e sua acessibilidade que temos que debater”, colocou.

Todas as falas seguiram na mesma direção: só se avança com luta. A juíza do TRT4 Raquel Santos, que é mãe de um menino autista, sintetizou a ideia. “Eu gostaria que chegasse um momento de dizer que não estamos mais comemorando um dia de luta. Gostaria que não precisássemos lutar, que as coisas acontecessem por atos voluntários das instituições. Infelizmente, mesmo que doloroso ou até constrangedor, precisamos enfrentar”, concluiu.

Tanto a abertura da exposição quanto a palestra contaram com tradução simultânea em LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais).

Serviço

O que: Exposição fotográfica “Tantos Uns”

Para quem: Atividade aberta ao público, entrada gratuita

Quando: De 27 de setembro até 19 de outubro de 2018, das 13h às 18h

Onde: Passarela do nono andar do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) - Rua Otávio Francisco Caruso da Rocha, 300 - Bairro Praia de Belas - Porto Alegre (RS)

Equipe da Feneis que atua na digitaliazação na JFRS

 

Fotógrafos que participaram da mostra

 

Exposição está na passarela do 9º andar do TRF4

 

Servidor do TRF4 Germano Hofler (D) foi fotografado por Caio Monçalves

 

Lourdes Helena fotografou o colega Dionel Pereira

 

O predidente da Feneis, Francisco Eduardo Coelho da Rocha, foi registrado nas imagens feitas pela servidora de Luciana Lee

 

Abertura da mostra foi seguida de uma roda de conversa no auditório do TRF4

 

Juíza Raquel Santos é presidente do Comitê Gestor de Equidade de Gênero, Raça e Diversidade do TRT4

 

Debate teve tradução em Libras