Poupança

Audiência em Curitiba prepara conciliação de ações sobre perdas nos planos econômicos Bresser, Verão e Collor II

09/05/2019 - 14h49
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • TRF4 no Flickr
  • Assine o RSS do TRF4
  • Clique para ler ou parar a leitura da notícia

Amanhã (10/5), a partir das 14h no Edifício Bagé da Seção Judiciária do Paraná em Curitiba, vai ocorrer audiência pública para esclarecer dúvidas e preparar a conciliação de processos relativos a perdas de rendimento na caderneta de poupança em função dos planos econômicos do governo chamados de Planos Bresser, Verão e Collor II. Quem tem ações tramitando na Justiça Federal paranaense poderá buscar a solução dos seus casos por meio de acordo.

O objetivo dessa audiência é agilizar o trâmite dos processos, preparando as pessoas para que, posteriormente, possam realizar uma conciliação com a Caixa Econômica Federal, prioritariamente através do Fórum de Conciliação Virtual da Justiça Federal. A iniciativa já ocorreu em Porto Alegre no dia 8 de abril e em Florianópolis no dia 3 de maio.

O acordo de conciliação poderá ser feito totalmente online, por adesão, encerrando o processo, com recebimento do valor em até 30 dias úteis a partir da homologação. Serão pagas as diferenças inflacionárias relativas aos referidos planos econômicos nos contratos de depósito em cadernetas de poupança de poupadores que aderirem ao acordo.

As audiências públicas são uma iniciativa do Sistema de Conciliação (Sistcon) do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), juntamente com as Seções Judiciárias dos três estados da Região Sul, e reúnem as partes, os advogados, os procuradores da Caixa, magistrados e servidores, além das entidades que defendem o direito do consumidor. A iniciativa integra um projeto do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) para resolver esses processos via mutirões de audiências de conciliação presenciais.

Frente ao grande número de ações, e para evitar o gasto das partes com deslocamentos até as sedes onde aconteceriam os mutirões presenciais, a 4ª Região será a única Justiça Federal do país a realizar as conciliações via Fórum de Conciliação Virtual.

A ferramenta desenvolvida por magistrados e servidores da JF do Rio Grande do Sul, já é utilizada e consolidada como meio online de viabilização de acordos nos três estados. A Justiça vai chamar os processos selecionados para conciliação via eproc (sistema de processo judicial eletrônico).

A opção pelo ambiente virtual também leva em conta que muitos processos são de baixo valor e não justificariam o gasto das partes e, também, o fato de que, em alguns casos, o mesmo advogado representa mais de 500 poupadores. É importante ressaltar que, em qualquer fase da conciliação virtual, a parte pode pedir uma audiência presencial.

Para obter mais informações sobre os acordos relativos a contas de poupança dos Planos Bresser, Verão e Collor II, acesse este link.

O que vai ser esclarecido na audiência pública

Os magistrados e os procuradores da Caixa vão mostrar aos interessados os dois caminhos para resolver os processos, de que forma acessá-los, como se qualificar e os documentos necessários, bem como esclarecer outras dúvidas que possam surgir.

Um dos caminhos a ser utilizado é a plataforma desenvolvida pela FEBRABAN (Federação Brasileira dos Bancos), por meio do site www.pagamentodapoupanca.com.br. O portal possibilita a negociação direta entre bancos públicos e privados e correntistas, e está disponível aos interessados até 2020.

Já o Fórum de Conciliação Virtual da JF da 4ª Região é utilizado somente para acordos com a Caixa Econômica Federal e também será explicado como meio de composição para por fim ao processo.

Como vai funcionar a conciliação virtual

Os processos que devem entrar nesta primeira fase de conciliação virtual serão indicados pela Caixa, por critérios de possibilidade de acordo, e ainda não há um número fechado destas ações. A Justiça Federal é que avisa o poupador por meio do eproc que seu processo foi selecionado. Os processos que não foram indicados para conciliação no fórum e os que não fecharem acordo nesta via, permanecem sobrestados, aguardando julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF).

O banco realiza os cálculos dos valores que devem ser apresentados na proposta inicial que habilita o fórum. O ambiente já tem todos os dados cadastrais da parte automaticamente carregados pelo sistema. O acordo entre a parte e a Caixa Econômica Federal será por adesão, não havendo discussão ou negociação sobre o valor.

Outro diferencial da conciliação por meio do fórum virtual é que o pagamento dos valores será realizado em até 30 dias úteis a partir da homologação do acordo, sem entrar no escalonamento de pagamento previsto no site da FEBRABAN.

Volume de processos

No Brasil, são quase 657 mil processos questionando os chamados expurgos inflacionários dos planos econômicos. Deste montante, mais de 90 mil tramitam na Justiça Federal da 4ª Região, envolvendo as poupanças da Caixa: cerca de 5 mil no TRF4, 26 mil na JFRS, mais de 47 mil na JFSC e cerca de 14 mil na JFPR.

O tema está sobrestado no STF, aguardando análise da corte superior, para que todo o Judiciário brasileiro passe a julgar os processos a partir de um entendimento unificado, e representa 70% dos processos suspensos em todo país que aguardam orientação do Supremo.

Como os processos não podem ser julgados até uma decisão da instância superior, a conciliação vai viabilizar o fim das ações por meio de acordo, para resolver as demandas que envolvem ações de planos econômicos das décadas de 1980 e 1990.

SERVIÇO

Paraná: audiência pública
Data: 10/5/2019
Horário:14h
Local: Edifício Bagé da Justiça Federal do Paraná
           Rua Voluntários da Pátria, 532, Curitiba, PR



O desembargador federal Rogerio Favreto, coordenador do Sistema de Conciliação do TRF4, vai participar da audiência pública
O desembargador federal Rogerio Favreto, coordenador do Sistema de Conciliação do TRF4, vai participar da audiência pública
O desembargador federal Rogerio Favreto, coordenador do Sistema de Conciliação do TRF4, vai participar da audiência pública