Acessibilidade

Presidente do TRF4 e presidente da federação dos surdos conversam sobre atendimento especializado

29/11/2019
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • TRF4 no Flickr
  • Assine o RSS do TRF4

O presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), desembargador federal Victor Luiz dos Santos Laus, recebeu hoje (29/11) a visita do presidente da Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos (Feneis), Francisco Eduardo Coelho Rocha, que é servidor da Justiça Federal do Rio Grande do Sul (JFRS). Também participou da reunião o desembargador federal Roger Raupp Rios, que preside a Comissão Permanente de Acessibilidade e Inclusão (Cpai).

Acompanhado da assistente social Pâmela Garcia e do intérprete de libras Gabriel Lemos, Rocha veio dialogar sobre a acessibilidade nos prédios e nos sistemas eletrônicos da Justiça Federal da 4ª Região. “Hoje temos três milhões de surdos no Brasil. Sou muito grato à Justiça Federal pela acessibilidade promovida, reconhecemos os esforços, mas buscamos trazer uma reflexão em relação à necessidade de expandir as iniciativas de integração dos surdos”, expressou Rocha em libras, sendo interpretado por Lemos.

O presidente da Feneis elogiou a Central de Acessibilidade da JFRS, na qual existem servidores preparados para atender pessoas com deficiência. “Acreditamos que essa iniciativa deveria ser levada às seções judiciárias do Paraná e de Santa Catarina”, defendeu Rocha, relatando a necessidade de softwares específicos e de mais servidores com conhecimento de libras.

Laus agradeceu as sugestões e afirmou que o tribunal se preocupa há muito tempo com a acessibilidade e busca estar sempre de acordo com a legislação, mas que o diálogo com a comunidade surda é fundamental. “Sabemos que as pessoas que passam pelas dificuldades são as melhores para colaborar com sugestões para a melhoria do atendimento”, sublinhou o desembargador.

Raup Rios complementou o presidente da corte dizendo que a intenção é tomar conhecimento das dificuldades e atuar de forma concreta. “Nosso ambiente deve ser mais justo e não conseguiremos isso se não promovermos entre nós o convívio e a participação dos surdos. Necessitamos de vocês para fazer isso”, declarou o presidente da Cpai.