Emagis, Enfam e Ministério da Justiça realizam curso de mediação para juízes da 4ª Região

17/09/2010 - 14h48
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • TRF4 no Flickr
  • Assine o RSS do TRF4
  • Clique para ler ou parar a leitura da notícia
A Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados (Enfam), a Escola da Magistratura (Emagis) do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) e a Secretaria da Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça realizam, entre os próximos dias 20 e 22 de setembro, em Curitiba, o 11º Curso de Formação de Multiplicadores em Mediação e Técnicas Autocompositivas, destinado a juízes federais da 4ª região.

O curso será dividido em cinco unidades e tratará dos seguintes conteúdos: mecanismos de resolução de conflitos e possibilidades de composição; métodos autocompositivos e heterocompositivos de resolução dos conflitos; técnicas de composição de conflito baseadas na negociação; e procedimentos, técnicas e habilidades da mediação.

O evento tem por objetivo capacitar os magistrados para utilização da mediação como meio de facilitar diálogos e prevenir conflitos.

A coordenação do evento está a cargo do juiz Roberto Bacellar, colaborador da Enfam e autor do livro Juizados Especiais - A Nova Mediação Paraprocessual. Além dele, participarão como instrutores os juízes André Gomma de Azevedo, do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJBA), e Eduardo Tonetto Picarelli, coordenador seccional dos Juizados Especiais Federais no RS.

Meio eficaz de resolução de conflitos, a mediação apresenta, segundo especialistas, várias vantagens em relação ao processo judicial. Entre os benefícios, figuram a diminuição dos custos inerentes à resolução desses conflitos, a redução do número de demandas judiciais e do tempo médio de duração delas, além da informalidade e flexibilidade nas audiências.

O 11º curso de formação de multiplicadores em mediação será realizado no hotel Tulip inn, localizado na Avenida Manoel Ribas, 5480, em Santa Felicidade. Para essa edição, o quantitativo de vagas está preenchido.

Fonte: Imprensa STJ