EMAGIS

Gestão de pessoas é tema de curso para magistrados da 4ª Região 

09/10/2019
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • TRF4 no Flickr
  • Assine o RSS do TRF4

Iniciou nesta tarde (9/10) o curso “Gestão de pessoas”, voltado a juízes e desembargadores federais da 4ª Região. Promovido pela Escola da Magistratura (Emagis) do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), as aulas terão por objetivo o aprimoramento dos relacionamentos no ambiente institucional.

As atividades pedagógicas, que acontecem até sexta-feira (11/10), abordarão o fortalecimento das relações internas, com as equipes de agentes públicos do Judiciário, e das relações com outros órgãos e poderes. O curso é desenvolvido a partir da metodologia ativa de aprendizagem. Com a aplicação desse método, a coordenadora científica, juíza federal Ana Cristina Monteiro de Andrade Silva, busca a troca de experiências entre os juízes.

A abertura da programação foi realizada pelo diretor da Emagis, desembargador federal Márcio Antonio Rocha, que destacou as oportunidades proporcionadas pelas aulas. “A gestão de pessoas é um dos temas mais importantes no ambiente corporativo, pois diz respeito ao fluxo de trabalho, ao tratamento da equipe e à produtividade”, afirmou Rocha.

Ana Cristina também introduziu as primeiras atividades ressaltando que o curso é um espaço de identificação e aprimoramento das habilidades dos magistrados como líderes, proporcionando maneiras de aumentar o engajamento e a mobilização das equipes de cada gabinete e seção judiciária. “A teoria a ser abordada é apenas o necessário a ser aplicado nos espaços de trabalho de cada um, para serem gestores melhores, mais humanizados e mais produtivos”, enfatizou a juíza.

Durante estes três dias de curso, serão abordadas maneiras de aperfeiçoamento das habilidades interpessoais na gestão de influência e poder, incentivando a atuação proativa no ambiente de trabalho, a resolução de conflitos, o exercício de feedback efetivo e a análise da comunicação para aumentar a prática de escuta ativa junto aos servidores, colegas e partes atendidas pelos magistrados.