TRF4 | Trabalho Contínuo

Conciliação da Justiça Federal encerra 2022 com mais de 60 mil acordos realizados

06/02/2023 - 13h20
Atualizada em 06/02/2023 - 13h20
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Enviar por Email
  • Assine o RSS do TRF4

Com o retorno gradativo aos trabalhos presenciais após dois anos restringidos pela pandemia, a Justiça Federal da 4ª Região manteve a prioridade por audiências virtuais e com isso, finalizou o ano de 2022 com cerca de 64,2 mil acordos realizados, totalizando um valor de R$109 milhões. No ano anterior, também alcançou 64 mil sentenças de conciliação realizadas. Dessa forma, é possível notar o trabalho contínuo da Conciliação da 4ª Região para contornar os desafios impostos pelo teletrabalho através da tecnologia e manter o alto número de acordos realizados anualmente.

Rio Grande do Sul

Ao todo, foram fechados mais de 24,1 mil acordos no Estado durante o ano de 2022. Somente a 26ª Vara Federal de Porto Alegre, especializada em conciliação, fechou em torno de 1,8 mil acordos na matéria previdenciária, e encerrou o ano com o total de 4,3 mil acordos homologados. Enquanto que pelo Cejuscon de Porto Alegre, foram obtidos cerca de 1,2 mil acordos, principalmente em temas de auxílio-doença e previdenciário.

Santa Catarina

Em Florianópolis, o Cejuscon homologou 4,3 mil acordos com ênfase nos temas de poupança e previdência, entre janeiro e dezembro. A Seção Judiciária obteve 24,4 mil acordos de conciliação no total. Foram em média mais de 30 acordos em processos de poupanças por dia durante 2022 em Santa Catarina.

Paraná

O Cejuscon de Curitiba, até dezembro, fechou 3,1 mil acordos nos temas previdenciário, auxílio-doença e aposentadoria por invalidez. O total de acordos em todo o Estado do Paraná ficou em aproximadamente 15,7 mil.

Nos últimos anos, as três Seções Judiciárias organizaram as tratativas de conciliação por meio de audiências virtuais, Fórum de Conciliação Virtual (FCV) e também por petição nos autos dos processos eletrônicos.

 

Fonte: Sistcon/TRF4