O direito de ter direitos

Juizados completam 20 anos democratizando a Justiça

05/11/2021 - 16h53
Atualizada em 05/11/2021 - 18h48
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • TRF4 no Flickr
  • Assine o RSS do TRF4
  • Clique para ler ou parar a leitura da notícia

Há 20 anos, a Justiça Federal (JF) abria suas portas de forma mais ampla à população brasileira, com a criação dos Juizados Especiais Federais (JEFs). Independentemente de ter ou não um advogado, qualquer pessoa passou a poder buscar seus direitos sem custas judiciais e com o apoio do Poder Judiciário. Com os JEFs, o cidadão adentra um prédio da JF, liga ou manda um e-mail, é atendido por um servidor que o ajuda a redigir a petição e pode requerer um direito. O processo tramita e é julgado em prazos bem inferiores aos dos ritos comuns, geralmente entre 6 meses e um ano.

Ao assumir a competência por processos com valor da causa de até 60 salários mínimos sem a obrigatoriedade de advogado e de pagamento de custas processuais, os juizados democratizaram a Justiça Federal e levaram Justiça aos cidadãos brasileiros, principalmente nas demandas previdenciárias, que sempre representaram a maior parte das causas. Em 2020, segundo o relatório Justiça em Números, do Conselho Nacional de Justiça, 1,2 milhão de pedidos previdenciários chegaram aos juizados federais brasileiros, sendo a aposentadoria por invalidez e o auxílio-doença os mais buscados.

Segundo o coordenador dos Juizados na 4ª Região, desembargador federal Sebastião Ogê Muniz, os JEFs promoveram uma revolução no Judiciário brasileiro. “Neste curto espaço de tempo, eles ampliaram os níveis de acesso à Justiça, promoveram a transformação das práticas judiciais e demonstraram que sempre há espaços para crescimento e mudanças”, afirma Muniz.

Os juizados demonstram que o trabalhador brasileiro não está desamparado, e que o Judiciário vem tentando garantir à população os direitos fundamentais preconizados pela Constituição Federal de 1988 quando estes lhe são negados injustamente. “Considero que os JEFs tornaram-se depositários da confiança dos que neles buscam a garantia de direitos fundamentais relacionados à saúde, à assistência e à previdência social”, enfatiza o coordenador. 

Pagamento rápido a quem mais precisa

Os valores de até 60 salários mínimos ganhos nas causas dos JEFs são pagos por meio de Requisições de Pequeno Valor (RPVs). As RPVs são pagamentos de um ente público vencido na ação realizados por depósitos judiciais a serem disponibilizados às partes em até 60 dias após sua expedição pelo TRF4. Um exemplo desses valores pode ser dado em pagamento que será realizado em novembro de 2021, referente às RPVs autuadas em setembro deste ano. A 4ª Região pagará R$ 346.244.801,80 distribuídos nos três estados, sendo que, deste montante, mais de R$ 300 milhões correspondem a matérias previdenciárias. São 23.075 beneficiários, em 18.367 processos apenas nesta leva.

Valores superiores são pagos por meio de precatórios, que são requisições de pagamento expedidas pelo Judiciário para cobrar entes públicos e costumam ser pagos anualmente.

JEFs na pandemia de Covid-19

Como medida de proteção social durante a pandemia de Covid-19, foi criado, em março de 2020, o Auxílio Emergencial, uma renda básica de R$ 600,00 paga pelo governo federal a partir de abril de 2020 a desempregados, trabalhadores informais, microempreendedores e contribuintes individuais da Previdência. Até dezembro foi mantido o valor inicial, sendo restringido em 2021 para valores que variam entre R$ 150,00 e R$ 375, dependendo da situação do beneficiário.

Por mais que a lei 13.982/2020 tenha tentado abarcar todos as especificações possíveis para definir quem tinha direito a receber, a negativa por parte governo baseada no não preenchimento dos critérios exigidos levou milhares ao Judiciário. Por ser um valor baixo, a população acorreu aos Juizados Especiais Federais. 

Só na 4ª Região, foram ajuizadas 52.202 ações, e proferidas 48.569 sentenças judiciais e 5.560 sentenças de conciliação no período de abril de 2020 a setembro de 2021. 

O futuro é agora

Entre as restrições impostas pela pandemia, o fechamento dos prédios públicos tornou-se um desafio para o Judiciário. O que antes era resolvido pessoalmente, ganhou intermediários tecnológicos. Balcão virtual, e-mail, telefone e whatsapp. Desta forma os cidadãos passaram a ser atendidos pelos JEFs dos três estados. As audiências migraram dos meios físicos para as telas da plataforma Zoom, e as partes passaram a ser ouvidas em chamadas de vídeo. 

Depois de quase um ano e meio atuando virtualmente, a Justiça Federal da 4ª Região voltou a abrir seus prédios em agosto deste ano. Ao serem ouvidos, diretores de varas com JEFs deram a mesma informação, a de que pouca coisa mudou, e as partes seguem preferindo o meio virtual. “Voltamos a fazer audiências presenciais, se a parte preferir, mas a grande maioria escolhe seguir nas audiências virtuais”, conta a diretora da 20ª Vara Federal e JEF de Porto Alegre, Juliana Mayer Goulart. A diretora da 1ª Vara Federal e JEF de Curitiba, Joacita Kopytowski, dá testemunho parecido: “mesmo as partes que buscavam o auxílio emergencial sem um advogado usavam o telefone ou o whatsapp. Parece que todos se adaptaram muito bem”.

Para o coordenador dos JEFs, muito do que foi feito na pandemia talvez tenha vindo para ficar. “A nova realidade decorrente da pandemia despertou os juizados para o emprego intensivo de recursos tecnológicos avançados, os quais, a um só tempo, conferiram-lhe mais dinamismo e permitiram a observância dos protocolos de saúde aplicáveis”, avaliou Muniz.

Números comprovam importância

Atualmente, a 4ª Região conta com 172 juizados especiais federais, que funcionam junto às varas. São 72 no Rio Grande do Sul, 41 em Santa Catarina e 59 no Paraná. Eles estão divididos por competência, sendo classificados como cíveis, tributários, previdenciários, criminais e ambientais.

Em 2020, foram distribuídas 323.689 ações ao todo nos JEFs da Região Sul, com julgamento de 299.494, uma média de 25 mil sentenças mensais. Nas turmas recursais, foram distribuídos 112.310 e julgados 130.436, mais de 10 mil recursos julgados em média por mês. 

Turmas Recursais e Turmas de Uniformização Regional (TRU) e Nacional (TNU)

Para processar e julgar recursos contra decisões dos Juizados Especiais Federais, foram criadas as Turmas Recursais. São 12 ao todo na 4ª Região: cinco do RS, três em SC e quatro no PR, com sedes em Porto Alegre, Florianópolis e Curitiba. Cada turma é composta por três juízes federais de primeiro grau e um suplente.

Acima da Turmas Recursais está a Turma Regional de Uniformização (TRU), composta por 12 juízes federais, presidentes das turmas recursais de cada estado e pelo coordenador dos JEFs da 4ª Região, que preside o colegiado. A TRU julga pedidos de uniformização de jurisprudência a partir de divergências ocorridas nos julgamentos das turmas recursais em sessões bimestrais.

Existe ainda, em nível nacional a Turma Nacional de Uniformização. Ela funciona junto ao Conselho da Justiça Federal, em Brasília, e julga pedidos de uniformização de interpretação de lei, em questões de direito material, fundado em divergência entre decisões de turmas recursais de diferentes regiões ou em contrariedade à súmula ou jurisprudência dominante do Superior Tribunal de Justiça. O objetivo primordial é uniformizar a jurisprudência no âmbito dos Juizados Especiais Federais. Ela é formada de 10 juízes federais provenientes das turmas recursais dos juizados, sendo dois juízes de cada uma das cinco regiões da Justiça Federal. 

Fórum Interinstitucional Previdenciário

Em 2010, a Coordenadoria dos JEFs, sob a gestão do desembargador federal Paulo Afonso Brum Vaz, criou o Fórum Interinstitucional Previdenciário. Especialista em direito previdenciário, Brum Vaz entendeu que a Justiça Federal da 4ª Região precisava ouvir as partes interessadas e acolheu uma antiga reivindicação dos advogados, promovendo o diálogo interinstitucional, ação que foi seguida por regiões da Justiça Federal, inclusive, mais recentemente, pelo Sistema de Conciliação do TRF4, com a criação do Fórum do Direito à Moradia. 

Em encontros periódicos, a Coordenadoria dos JEFs passou a reunir nos três estados entidades como a Federação dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas, as Associações de Juízes Federais, as seccionais da Ordem dos Advogados do Brasil; e órgãos como o Ministério Público Federal, a Procuradoria Regional Federal Especializada em INSS, a Defensoria Pública da União e a Superintendência Regional do INSS, entre outros.

Iniciativas tais como a criação da Central de Análise de Benefícios para Atendimento de Demandas Judiciais da Superintendência Regional Sul – CEAB-DJ/SR III para atuar na implantação de benefícios previdenciários de forma centralizada, a elaboração da cartilha com orientações para saque de RPVs e Precatórios, bem como a campanha com objetivo de esclarecer os procedimentos no pagamento de precatórios, alertando os beneficiários quanto ao eventual assédio na cessão do crédito dos respectivos valores são exemplos de ações que contribuíram para a célere atuação da jurisdição previdenciária e que tiveram origem nos debates do fórum.

 


Breve histórico dos JEFs

Foi na 4ª Região o primeiro experimento com JEF na Justiça Federal brasileira. Em agosto de 2000, a 3ª Vara Federal Previdenciária de Porto Alegre acolheu um projeto experimental, sob coordenação da juíza federal Simone Barbisan Fortes. Em 2001, foi publicada a Lei 10.259, que introduziu os juizados especiais federais no ordenamento jurídico do país. Abaixo, linha do tempo com as principais iniciativas dos desembargadores federais que coordenaram os JEFs nestes 20 anos.

2001 – Criação dos Juizados Especiais Federais Brasileiros. A Lei prevê que cada uma das cinco Regiões da Justiça Federal tenha uma Coordenadoria de JEFs (COJEFs), com um desembargador no comando por mandatos de dois anos;

2002 – Assume a COJEF da 4ª Região o desembargador Vilson Darós. “Estamos com os juizados implantando a cultura do juízo informal, que resolva problemas e não crie”, afirmava Darós, que assume o desafio de implantar JEFs nos três estados da 4ª Região;

2003 – Tadaaqui Hirose é eleito coordenador e começa a implantação do processo judicial eletrônico – eproc V-1. Os JEFs da 4ª Região são os primeiros a começar a virtualização dos processos físicos no Brasil;

2005 – Edgard Antônio Lippmann Júnior assume e traz para os juizados o planejamento estratégico, declarando por missão destes “garantir a todos justiça rápida e efetiva”, enfatizando, em cada unidade de JEF, os valores da oralidade, simplicidade, informalidade, direito de acesso, respeitabilidade, gratuidade, economia e celeridade processual;

2007 – É eleito Néfi Cordeiro, e na sua gestão é editado o primeiro regimento interno das Turmas Recursais e da Turma Regional de Uniformização;

2009 –  Paulo Afonso Brum Vaz sucede Cordeiro. Ele traz aos juizados as formas alternativas de soluções de conflitos e cria o Fórum Interinstitucional Previdenciário;

2011 – Maria de Fátima Freitas Labarrère assume a Coordenadoria. Sua gestão caracteriza-se pela instalação de Juizados Especiais Federais Avançados (Jefas), que funcionam como extensões de varas federais em cidades que não possuem sede da Justiça Federal. Também inicia a instalação da estrutura permanente das Turmas Recursais;

2013 - Victor Luiz dos Santos Laus é eleito. Ele promove a migração dos processos eletrônicos do eproc V1 (versão inicial do sistema judicial eletrônico) para o eproc V2 (versão atual);

2014 - Vivian Josete Pantaleão Caminha assume a Coordenadoria e coloca o foco sobre a otimização da conciliação e a melhoria dos fluxos de trabalho nas Turmas Recursais;

2015 - João Batista Pinto Silveira passa a coordenar os JEFs e promove a especialização das sessões de julgamento da Turma Regional de Uniformização;

2017 - Fernando Quadros da Silva assume e implanta a ferramenta ‘Temas Repetitivos’, para controle dos processos sobrestados nas turmas recursais;

2018 - Vivian Josete Pantaleão Caminha passa a ser coordenadora. Ela lança as bases para o uso da inteligência artificial nos JEFs, com apoio e acompanhamento de um projeto-piloto no Paraná;

2019 - Vânia Hack de Almeida assume a coordenadoria e foca sua gestão no aperfeiçoamento do diálogo interinstitucional, de onde se origina a importante ferramenta da TED-automática, que permite a transferência de valores diretamente da conta judicial para a conta do beneficiário, sem a necessidade de comparecimento deste ao banco, além da projeto estratégico que coloca em dia, no INSS, a concessão de benefícios previdenciários, modelo seguido em âmbito nacional após grande sucesso n 4ª Região;

2021 – É eleito o atual coordenador dos JEFs, desembargador Sebastião Ogê Muniz.