JFRS | Responsabilidade ambiental

Resultados do Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da JFRS são apresentados

11/11/2022 - 16h30
Atualizada em 11/11/2022 - 16h57
  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • TRF4 no Flickr
  • Assine o RSS do TRF4

A Justiça Federal do RS (JFRS) é o primeiro órgão do Poder Judiciário a realizar o Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE). Na quarta-feira (9/11), a empresa contratada apresentou os resultados do primeiro inventário produzido na instituição para os anos de 2019, 2020 e 2021. Com o diagnóstico em mãos, ações começam a ser pensadas para compensar as emissões apuradas e, principalmente, para elaborar um plano de neutralidade climática.

A apresentação dos resultados ocorreu no auditório do prédio-sede em Porto Alegre, com transmissão pelo canal do Youtube, e foi acompanhada por juízes e servidores. Na abertura, o diretor do Foro da JFRS, juiz federal Fábio Vitório Mattiello, mencionou que, após receber o convite para ser o gestor da instituição, umas das primeiras ligações que recebeu foi da juíza federal substituta Rafaela Santos Martins da Rosa, que defendeu a importância da realização do inventário. Ele comprou a ideia e apoio sua concretização. “Convido todos agora a se engajarem neste projeto”, concluiu.

Em seguida, a magistrada, presidente da Comissão do Plano de Logística Sustentável da JFRS explicou como foi feito o inventário, que incluiu 34 edificações e mais um terreno, localizados em 29 cidades, onde a instituição realiza a gestão dos prédios, seja próprios ou alugados.

Rosa destacou que o inventário é um diagnóstico que identifica onde estão as fontes de emissões, permitindo o estabelecimento de metas de redução de modo técnico. Ela pontuou que a decisão em trazer esta questão para dentro da Justiça Federal gaúcha está pautada em razões científicas e jurídicas.

A juíza ressaltou ainda que o inventário da JFRS analisou emissões dos escopos 1,2 e 3. Fontes de escopo 1 são as emissões lançadas à atmosfera que vêm diretamente do processo produtivo da organização, por exemplo, os gases produzidos a partir da queima de combustíveis e fontes de calor. O escopo 2 refere-se às emissões associadas à geração de eletricidade que a instituição consome. Já o escopo 3 abrange emissões indiretas, que acontecem ao longo da cadeia de produção da atividade de quem está elaborando o inventário, como bens e serviços comprados e viagens a negócios. Aqui se encontram fontes sobre as quais a organização não tem controle direto.

Rosa destacou que as duas primeiras são de reporte obrigatório, já o escopo 3 são de relato opcional. Entretanto, no inventário da JFRS, o escopo 3 foi incluído, pois, muitas vezes, é nele que está a maior produção de CO2.

Patrícia Montenegro, representante da empresa Combustech, contratada para realizar o inventário, apresentou o percentual de emissões de GEE por escopo e categoria nos anos de 2019, 2020 e 2021. A opção por estes anos foi estratégica. Em 2019, a instituição operava no modelo tradicional, que foi alterado em 2020 com a pandemia da Covid-19, quando o teletrabalho remoto obrigatório foi decretado e os prédios-sedes fechados. Já em 2021, a Justiça Federal gaúcha retorna suas atividades num modelo híbrido.

A partir do diagnóstico relativo à pegada de carbono no ano de 2019, por exemplo, que identificou a emissão de 2,16 toneladas de CO2 por colaborador (servidores, juízes, estagiários, conciliadores, comissionados e voluntários), comparando com os dados de 17 escritórios de advocacia de referência, concluiu-se que a JFRS está com uma média menor, o que aponta que iniciativas já implementadas na instituição têm efeito positivo também nesta questão.  

Após apresentar os dados, Montenegro indicou um plano de descarbonização 2030 e 2050 para a instituição, que é composto por várias recomendações, como priorizar a troca da frota para carros elétricos e substituição de máquinas com gás de menor emissão e controle de temperatura automática dos ambientes, manter práticas de teletrabalho adotadas e incentivar mobilidade sustentável.

Na conclusão, a juíza Rafaela Rosa destacou os próximos passos. Segundo ela, além de da realização de ajustes internos no reporte de dados, será elaborado um plano de neutralidade climática da JFRS e as emissões apuradas no inventário de 2019, 2020 e 2021 serão compensadas. “Vamos dar nossa contribuição da melhor forma possível”, afirmou.

Clique para assistir a apresentação.

Secos/JFRS (secos@jfrs.jus.br)


a foto mostra o auditório cheio de pessoas sentadas em cadeiras acompanhando a apresentação
Público acompanhou apresentação dos resultados
a foto mostra o auditório cheio de pessoas sentadas em cadeiras acompanhando a apresentaçãoa foto mostra a juíza, mulher jovem, branca, falando ao microfone ao lado do telão de apresentaçãojuiz, homem branco, fala, em pé, ao lado do telãoa foto mostra Montenegro, mulher branca, em pé, falando ao microfone ao lado do telão